Carregando...

Período de vazio sanitário da soja começa no Paraná; entenda

Vazio sanitário da soja começa no Paraná

Vazio sanitário da soja começa no Paraná

Iniciou nesta sexta-feira (10) o período do vazio sanitário da soja no Paraná. O período vai até 10 de setembro e durante esses 90 dias, não podem existir plantas vivas de soja nas lavouras.

O vazio sanitário é uma medida que tenta limitar a sobrevivência do fungo causador da ferrugem asiática durante a entressafra e, consequentemente, reduzir a incidência e atrasar a ocorrência da doença na próxima safra.

  • Prejuízo da safra de soja chega a 74% no oeste do Paraná, diz Deral; produtores investem em novas tecnologias para contornar danos

Durante o período é proibido cultivar e manter a soja no campo.

"Fazendo esse vazio sanitário, você evita que as primeiras inoculações do fungo aconteçam mais cedo. Ou seja, deixa que elas aconteçam mais tarde e isso pode evitar ou diminuir a aplicação de fungicidas, com o objetivo de controlar a ferrugem asiática da soja", explica Eduardo Portelinha, agrônomo na Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Este ano foi a primeira vez que o Ministério da Agricultura, por meio de uma portaria da Secretaria de Defesa Agropecuária, estabeleceu um calendário que deve ser seguido por todos os estados brasileiros.

"Depois do dia 10 de junho, o produtor com lavouras encontradas recebe um auto de infração, responde a um processo administrativo a respeito dessa irregularidade e não pode deixar de eliminar essas plantas", afirma Portelinha.

Durante período de vazio sanitário é proibido cultivar e manter a soja no campo. — Foto: RPC/Reprodução

Durante período de vazio sanitário é proibido cultivar e manter a soja no campo. — Foto: RPC/Reprodução

A multa varia de acordo com fatores como área, histórico do produtor e se ele já teve infrações anteriores com a Adapar.

Na propriedade de Rodolpho Botelho, que fica no município de Candói, na região de Guarapuava, tem aveia plantada. Mas, ao olhar bem, é possível ver alguns pés de soja.

“Vamos fazer um controle nessas pequenas plantas de soja, justamente para elas não se propagarem durante o inverno e também para não facilitar uma multiplicação desse fungo da ferrugem da soja”, diz o agricultor.

2022 foi a primeira vez que o Ministério da Agricultura estabeleceu um calendário que deve ser seguido por todos os estados brasileiros. — Foto: Geraldo Bubniak

2022 foi a primeira vez que o Ministério da Agricultura estabeleceu um calendário que deve ser seguido por todos os estados brasileiros. — Foto: Geraldo Bubniak

Nesse período, seja em solo descoberto ou com cultivos de inverno, é preciso redobrar os cuidados. Se o fungo aparecer agora, pode comprometer a produtividade da soja no futuro.

É por isso que sempre nesse período do ano, Rodolpho fica atento – e, quando percebe algo fora do normal, coloca o pulverizador na lavoura para eliminar as plantas de soja.

"Um menor uso desse fungicida traz uma economia para o produtor rural. Uma economia para todo o setor. Então, temos que fazer o trabalho de casa para colher ganhos e frutos lá na frente", afirma Botelho.

Reveja os vídeos do Caminhos do Campo

200 vídeos

Veja mais destaques na página especial Caminhos do Campo.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*