Carregando...

Apreensões de cocaína desde 2018 no porto de Paranaguá ultrapassam 30 toneladas; parte da droga pode ter sido movimentada a mando de Major Carvalho, diz PF

Parte de de cocaína movimentada no Porto de Paranaguá pode ter sido a mando do major Carvalho — Foto: Divulgação/Receita Federal

Parte de de cocaína movimentada no Porto de Paranaguá pode ter sido a mando do major Carvalho — Foto: Divulgação/Receita Federal

Investigações da Polícia Federal (PF) apontam que o porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, é um dos principais usados por uma organização criminosa internacional. A suspeita é que o grupo seja comandado por Sérgio Roberto de Carvalho, ex-major da Polícia Militar (PM) do Mato Grosso do Sul, preso na Hungria, na terça-feira (21) sob a acusação de tráfico de drogas.

O investigado é natural de Ibiporã, no norte do Paraná, e é conhecido como o "Pablo Escobar brasileiro".

  • De major da PM a traficante internacional preso na Hungria: conheça a história do major Carvalho
  • Ex-policial brasileiro vira traficante internacional e forja a própria morte para fugir
  • Ex- major que virou traficante internacional tem mais de R$ 1 milhão de aposentadoria para receber em MS

De acordo com a Receita Federal, do início de 2018 ao fim de maio deste ano, mais de 31 toneladas de cocaína foram apreendidas no porto de Paranaguá. As investigações da PF indicam que a maior parte das remessas pertencia à organização criminosa.

Traficante internacional de drogas é preso na Europa

Traficante internacional de drogas é preso na Europa

De acordo com a PF, o esquema envolvia envio de drogas de várias formas, até mesmo em máquinas. Em uma delas estavam 900 quilos de cocaína que iriam para a Holanda.

A Polícia Federal identificou pelo menos 70 remessas de cocaína feitas para Europa, África e Ásia. Portos como os de Paranaguá, no litoral do Paraná, e Natal, no Rio Grande do Sorte, eram usados pela quadrilha do ex-policial militar suspeito para envio de drogas para o exterior.

Conforme a PF de Curitiba, o órgão pedirá pela extradição do ex-major para o Brasil e, por isso, os detalhes burocráticos estão sendo acertados. Outros países da Europa, onde o traficante é investigado, também têm interesse nessa extradição, mas as autoridades brasileiras querem que ele responsa pelos crimes no país dele.

"A ideia é fazer o mais rápido possível. Até porque, a gente não sabe qual será o critério utilizado pelas autoridades húngaras para escolher o país para o qual ele será extraditado", disse o delegado da PF Sergio Stinglin.

Sérgio Roberto de Carvalho é natural de Ibiporã, no norte do Paraná — Foto: Reprodução/Fantástico

Sérgio Roberto de Carvalho é natural de Ibiporã, no norte do Paraná — Foto: Reprodução/Fantástico

Segundo a polícia, mesmo com a prisão do ex-policial, o tráfico de drogas no porto de Paranaguá não deve acabar, pois a quadrilha é muito organizada e deve manter as operações, e porque há uma grande demanda por cocaína nos países europeus.

A Polícia Federal disse que continua investigando a organização.

Investigado

Sergio Roberto de Carvalho foi preso em uma operação da Interpol na Hungria. Antes, tinha morado na Espanha e em Portugal com diferentes identificações.

Ele tem 64 anos e nasceu em Ibiporã, em 1958. A família se mudou para Mato Grosso do Sul quando ele era adolescente. Depois, entrou na PM sul mato-grossense onde trabalhou por 16 anos e se aposentou como major.

Além do tráfico de drogas, o ex-major também foi investigado por envolvimento com máquinas caça- niqueis e cassinos clandestinos.

Durante a pandemia, conforme as investigações, ele chegou a forjar a a própria morte por Covid para tentar escapar da Justiça. Usou um atestado de óbito falso em nome de Paul Walker, mas foi descoberto.

VÍDEOS: os mais assistidos do g1 PR

200 vídeos

Mais notícias do estado em g1 Paraná.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*