Carregando...

Óleo nas praias: vistorias diárias são suspensas; origem das 'bolotas' em Pernambuco ainda é investigada

Vestígios de óleo foram encontrados em praias de Pernambuco em 28 de agosto — Foto: Reprodução/WhatsApp

Vestígios de óleo foram encontrados em praias de Pernambuco em 28 de agosto — Foto: Reprodução/WhatsApp

As vistorias diárias para verificar surgimento de óleo nas praias de Pernambuco foram suspensas, disse a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) nesta quinta-feira (8). A origem das “bolotas” ainda é investigada, após análise da realizada na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) ter resultado inconclusivo sobre relação com óleo surgido em 2019.

O monitoramento diário vinha sendo realizado desde 25 de agosto. Segundo a Semas, houve uma diminuição da coleta de fragmentos nas faixas de areia nos últimos sete dias, o que motivou a decisão tomada pelo comitê de monitoramento da situação. Não foi divulgado, no entanto, quanto foi coletado nesse período (confira balanço mais abaixo).

Com isso, o governo vai acompanhar a situação através da limpeza urbana dos municípios, que notificam o estado caso surja algo fora do comum.

Resíduo de óleo coletado nas praias de Pernambuco durante análise na UFPE — Foto: Reprodução/TV Globo

Resíduo de óleo coletado nas praias de Pernambuco durante análise na UFPE — Foto: Reprodução/TV Globo

Sobre a investigação da origem do óleo, a secretaria explicou que o Laboratório de Compostos Orgânicos em Ecossistemas Costeiros e Marinhos (OrganoMAR) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) encontrou "ambiguidades" nas amostras analisadas e, com isso, não foi possível cravar se é ou não o mesmo material de 2019.

Também foram enviadas amostras a outros laboratórios, como o da Marinha (veja vídeo abaixo). “Os exames e averiguações laboratoriais seguirão ocorrendo”, informou o governo, informando que monitora a divulgação desses outros laudos.

Não foram divulgados prazos para divulgar essas análises, nem qual outra entidade, além da Marinha e UFPE, recebeu fragmentos.

UFPE e Marinha analisam vestígios de óleo encontrados em praias de 11 cidades de Pernambuco

UFPE e Marinha analisam vestígios de óleo encontrados em praias de 11 cidades de Pernambuco

Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) disse que a população pode entrar em contato caso encontre fragmentos de óleo por meio do telefone da emergência ambiental da instituição, que é o (81) 99488-4453.

Além de Pernambuco, Paraíba, Bahia e Alagoas também notificaram vestígios de óleo em praias desde o fim de agosto.

Balanço

Desde 25 de agosto, foram contabilizados 13 municípios afetados pelo surgimento de óleo na areia, segundo a Semas. Não há notificação de manchas no mar, a exemplo do ocorrido em 2019.

O g1 questionou qual foi a quantidade, em quilos, coletada durante essas duas semanas, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem. Na primeira semana, segundo o governo, foram 400 quilos.

Até esta quinta-feira (8), as seguintes cidades notificaram casos de “bolotas” em suas orlas: Olinda, Recife, Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes, Ipojuca, Itamaracá e Igarassu, na Região Metropolitana, e Sirinhaém, Tamandaré, Barreiros, São José da Coroa Grande e Goiana, na Zona da Mata.

A secretaria reforçou que não há restrição ao banho de mar nas praias destes municípios. A orientação é para os banhistas, caso identifiquem um fragmento de óleo, evitem tocar no material e encaminhem a informação e a localização para a CPRH.

O comitê de monitoramento é formado por representantes do governo do estado, do Ibama e da Capitania dos Portos.

VÍDEOS: mais vistos de Pernambuco nos últimos 7 dias

50 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*