Carregando...

Grupos realizam ato contra a destinação de prédio da pinacoteca de Piracicaba para a PF

Ato contra destinação do prédio da pinacoteca para a PF, em Piracicaba — Foto: Fátima Monis

Ato contra destinação do prédio da pinacoteca para a PF, em Piracicaba — Foto: Fátima Monis

Artistas de diferentes segmentos realizaram um ato contra destinação de prédio da Pinacoteca Municipal de Piracicaba (SP) para a Polícia Federal, na tarde desta quarta-feira (1º). A iniciativa integra uma série de manifestações do grupo, entre elas a confecção de uma carta com adesão de mais de 2,2 mil pessoas. A prefeitura anunciou que vai realocar o acervo do espaço no Engenho Central.

O ato desta quarta-feira foi realizado por dois grupos independentes: os Amigos da Pinacoteca Municipal Miguel Dutra e o S.O.S Pinacoteca Municipal Miguel Dutra, formados por artistas de diferentes segmentos artísticos, entusiastas das artes, educadores, professores e a população em geral .

Artista da dança, membra do Coletivo Anônimos da Dança e da Frente das Cultura de Piracicaba e coordenadora do Conselho Municipal de Políticas Culturais, Fernanda Ferreira explicou que a realocação do acervo da pinacoteca no Engenho Central está ligado a um projeto municipal de centralização das ferramentas culturais no Parque do Engenho Central, denominado "Engenho da Cultura", além da disponibilização do prédio atual para a Polícia Federal.

"Então, criamos diferentes frentes de ação para que esta decisão do fechamento da pinacoteca seja revista, como uma carta com adesão de mais de 2,2 mil pessoas, abraço na pinacoteca, reuniões, esta ocupação de hoje, um grupo aberto no Facebook em que as pessoas possam fazer suas manifestações", elencou Fernanda.

Ela observou que o prédio da pinacoteca é um patrimônio histórico, arquitetônico e artístico. "Compreendemos que o espaço da pinacoteca é bem ganho da comunidade artística e a população. Não fecha uma ferramenta cultura, se constrói outras, mas nunca se fecha. Então que venha uma nova", reivindicou.

A artista e ativista também avaliou como errado o uso do termo "transferência". "Não existe transferência de uma construção arquitetônica para outro lugar. Ali é seu local, sua fundação".

E afirmou que não há programas de fomento à arte e de educação e formação estética na cidade. "A população em geral não se sente pertencente. Para isto é necessário investimento para formação cultural. Nós compreendemos que o indivíduo não deva se constituir apenas como um passantes alheio nos espaço artísticos, entendemos da necessidade da imersão na arte, e para isto é necessário educação. Alias, nem a paisagem natural, o rio, o sol, as árvores, nem estas tem valor estético se não houver formação estética, visto aí toda a poluição e desmatamento", acrescentou.

Por fim, ela cobrou que o poder público abra espaço para a população ser consultada sobre a medida. "Se não são essas vozes que são interessante escutar, quais vozes serão?", questionou.

Artistas criaram série de intervenções para protestar contra transferência de acervo da Pinacoteca de Piracicaba — Foto: Fátima Monis

Artistas criaram série de intervenções para protestar contra transferência de acervo da Pinacoteca de Piracicaba — Foto: Fátima Monis

O que diz a prefeitura e PF

A Secretaria Municipal de Ação Cultural (Semac) informou quem nota que o barracão que abrigará a Pinacoteca Municipal, localizado no Parque do Engenho Central, "receberá toda adequação necessária para receber o acervo, que hoje o prédio atual não dispõe, por falta de manutenção e ajustes necessários, como por exemplo o acondicionamento correto das obras mediante climatização".

"O transporte das obras será feito por empresa especializada, logo após a catalogação que está sendo feita, pois o inventário encontrava-se desatualizado com objetos artísticos, doados e/ou decretados não catalogados", completou.

Em reunião do Fórum Permanente de Segurança Pública, na terça-feira (31), a realocação da Polícia Federal em Piracicaba para outro imóvel foi defendida pela delegada-chefe da unidade, Melissa Nascimento Pastor.

Há 17 anos instalada no bairro São Dimas, a sede atual apresenta uma série de problemas estruturais e não comporta a média de 30 estrangeiros que, diariamente, buscam atendimento no local, segundo a corporação.

"O atendimento a estrangeiro não é suficiente, há uma demanda muito grande na região. A falta de condições de trabalho não afeta só policiais e colaboradores, mas aqueles que são atendidos diariamente. Há mofo, gotejamento, galpão com vidros quebrados e pombos, veículos há anos parados", apontou.

VÍDEOS: Veja reportagens sobre a região

62 vídeos

Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Calendar