Carregando...

PF envia inquérito de Salles para equipes do Pará e tira do caso delegado que abriu apuração

A Polícia Federal transferiu para a superintendência do Pará o inquérito, antes conduzido no Distrito Federal, da operação Akuanduba – que tem, entre os alvos, o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

Com a mudança, o caso sai das mãos do delegado Franco Perazzoni, que conduziu, desde o início, as investigações sobre crimes como exportação ilegal de madeira e uso de documentos falsos.

A informação foi publicada pela "Folha de S. Paulo" e confirmada pela TV Globo. Em nota (leia íntegra abaixo), a Polícia Federal informou que a troca de delegados aconteceu por conta da mudança de competência do inquérito na Justiça.

A operação Akuanduba foi deflagrada pela superintendência da Polícia Federal no DF em maio, sob orientação do delegado Franco Perazzoni. Na época, o inquérito teve de ser autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque Salles ainda era ministro e tinha foro privilegiado.

Ricardo Salles, no entanto, foi exonerado do cargo de ministro do Meio Ambiente em maio – e perdeu o foro. Relator do inquérito no STF, o ministro Alexandre de Moraes decidiu que as investigações deveriam passar à supervisão da Justiça Federal do Pará.

Veja no vídeo abaixo mais detalhes das investigações em andamento:

PF encontra indícios de falsificação de documentos em processo de exportação ilegal de madeira; inquérito cita Salles

PF encontra indícios de falsificação de documentos em processo de exportação ilegal de madeira; inquérito cita Salles

A TV Globo apurou que, mesmo com essa mudança na Justiça, a operação continuou sob responsabilidade do delegado Perazzoni. O próprio superintendente da PF no Pará, Wellington Santiago, pediu que o caso fosse mantido com as equipes da capital federal.

Em meados de outubro, no entanto, Santiago mudou de opinião e enviou novo documento à PF no Distrito Federal. Desta vez, para afirmar que a PF do Pará estava pronta para seguir com a investigação.

Empossado no cargo naquele mesmo mês, o novo superintendente da corporação no DF, Victor César Carvalho dos Santos, aceitou o pedido e encaminhou o inquérito às equipes do Pará.

Sob condição de sigilo, fontes afirmaram à TV Globo que a mudança de posicionamento de Wellington Santiago ocorreu depois que o superintendente da PF no Pará foi promovido. Agora, ele será adido da Polícia Federal na Colômbia.

Operação Akuanduba

Em maio, Salles, o presidente afastado do Ibama, Eduardo Bim, e mais nove ocupantes de cargos de confiança no Ibama e no Ministério do Meio Ambiente foram alvo de operação autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.

O grupo é investigado por crimes contra a administração pública como corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e, especialmente, facilitação ao contrabando.

De acordo com as investigações, o esquema seria operado por esses funcionários públicos e empresários do ramo madeireiro.

Perícia realizada pela Polícia Federal reforça indícios do suposto esquema de exportação ilegal de madeira A PF aponta a possibilidade de uso de documentos falsos pelo grupo.

De acordo com os investigadores, os elementos indicam a ocorrência de uma "lavagem" de produtos florestais. Em outras palavras, uma tentativa de "legalizar" materiais extraídos de forma ilegal com a utilização de documentos expedidos oito meses após a exploração das áreas.

A perícia criminal da PF foi realizada a partir de informações levantadas pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos da América – órgão equivalente ao Ibama.

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela Polícia Federal sobre a mudança no inquérito da operação Akuanduba:

Em atenção aos questionamentos encaminhados, esta Coordenação-Geral de Comunicação-Social informa:

Em razão da declinação de competência da Justiça Federal no Distrito Federal para a Justiça Federal no Pará, local dos fatos, o inquérito policial está sendo conduzido por autoridade policial daquele estado.

O Superintendente Regional da Polícia Federal no estado do Pará foi convidado para assumir a adidância da PF na Colômbia no mês de outubro.

Atenciosamente,

Coordenação-Geral de Comunicação-Social
Polícia Federal


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*