Carregando...

Nos EUA, Bolsonaro diz que ministros do STF "não são deuses"

Após a abertura de um vice-consulado brasileiro em Orlando, na Flórida, nos Estados Unidos, neste sábado (11), o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse a jornalistas que os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) têm de respeitar a Constituição porque “não são deuses”.

A afirmação ocorreu quando o presidente foi questionado se não seria uma afronta ao STF se encontrar com o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, investigado por suposta organização criminosa que produziria “fake news” contra ministros do Supremo — Santos teve prisão decretada em outubro do ano passado pelo ministro Alexandre de Moraes. O blogueiro participou da motociata organizada em Orlando, que contou com a presença do presidente.

“Se ele estiver presente eu falo com ele, é um cidadão, eu falo com ele sem problema nenhum. É um cidadão brasileiro. Se expressou, se foi bem ou mal, a sua pena jamais poderia ser ameaça de prisão”, afirmou Bolsonaro.

“O Supremo tem que entender que eles não são deuses. Todos nós somos autoridades e subordinados à nossa constituição. Então tem alguns [ministros] no Supremo, não são todos, [que] têm que tirar da cabeça que não são os ‘todos poderosos’. Têm erros, têm falhas e têm que se curvar à Constituição. E acima de nós estão os cidadãos. Minha vida não é fácil, não estou reclamando, e faço todo o possível para atender a população brasileira”, afirmou o presidente.

Nota dos militares

Bolsonaro também falou sobre como vai administrar a crise gerada pela divulgação de um documento na sexta-feira (10) em que o ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira, cobra o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, de que as propostas feitas pelas Forças Armadas de aperfeiçoamento do sistema eleitoral sejam atendidas.

“O TSE convidou os militares, deixar bem claro. Levantaram centenas de vulnerabilidades e apresentaram nobres intenções. E depois disso passaram a ser hostilizados pelo [ministro Luís Roberto] Barroso e pelo Fachin. E a nota de antes de ontem do ministro da Defesa é uma nota bastante clara, objetiva e onde ele sinaliza que a gente não pode ser escanteado nesse processo, porque eleições têm a ver com segurança, soberania nacional, paz e tranquilidade interna”, afirmou o presidente.

Na nota, o ministro da Defesadiz que “eleições transparentes são questões de soberania nacional” e que “não nos interessa concluir a eleição sob a sombra da desconfiança”.

“Porque não aperfeiçoar o sistema? Se existe dúvida, não é de poucas pessoas, por que não buscar essa análise? E a forma como eles vêm tratando essa questão, de ‘quem manda aqui sou eu’, ‘quem não aceitar eu casso registro e prendo’, entre outras coisas. Isso não é atitude de pessoas que vivem num país democrático”, declarou Bolsonaro.

A reportagem da CNN procurou o STF e o TSE para repercutir as declarações do presidente e aguarda não obteve resposta. O ministro Alexandre de Moraes não se manifestou sobre a presença do blogueiro no evento.

(*Publicado por Carolina Farias)


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*