Carregando...

Assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips: Profissão Repórter acompanhou buscas no Vale do Javari

Edição de 21/06/2022 - Buscas por Bruno Pereira e Dom Phillips

Edição de 21/06/2022 - Buscas por Bruno Pereira e Dom Phillips

Desde o início de junho, os olhos do mundo se voltaram para a Amazônia. Inicialmente desaparecidos, o indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips, que já eram conhecidos pelo ativismo relacionado à Amazônia, tornaram-se um marco da violência na região quando os suspeitos do duplo assassinato foram presos e confessaram os crimes.

  • 'Vamos continuar até o último. Onde cai um, nasce mil', garante ex-colega da Funai sobre trabalho de Bruno Pereira
  • 'Para quem a gente vai gritar, quem vai ouvir a gente?', lamenta indígena sobre assassinato de Bruno Pereira

Caco Barcellos e Thiago Jock chegaram ao Vale do Javari no dia 10 de junho, cinco dias antes dos corpos serem encontrados pela Polícia Federal; as buscas já duravam dez dias. Além de acompanhar as investigações feitas pelos indígenas, eles encontraram parentes de dois dos presos pelo crime, e conversaram com colegas de trabalho do indigenista brasileiro e do jornalista britânico.

O Profissão Repórter havia estado na região há três anos; os repórteres Danielle Zampollo e Maycom Mota participaram de uma expedição organizada por Bruno, então coordenador-geral de Índios Isolados da Funai, para contatar tribos. Naquela época, ele relatou que vinha sofrendo ameaças de madeireiros, garimpeiros e caçadores ilegais.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*