Carregando...

Grávida de seis meses, agricultora espera por perícia do INSS após descobrir tumor na cabeça

Grávida de seis meses, agricultora espera por perícia do INSS após operar tumor no cérebro

Grávida de seis meses, agricultora espera por perícia do INSS após operar tumor no cérebro

Em Malhador, no interior de Sergipe, cerca de 60 agricultores estão solicitando ao INSS o auxílio-doença. Ajudados pelo sindicato dos trabalhadores rurais da cidade, todos já deram entrada no pedido, mas aguardam a data agendada para a perícia - a mais próxima só para daqui a três meses, em novembro.

Um dos casos mais graves é o de Edna dos Santos, de 36 anos. Grávida de seis meses e mãe de outras duas crianças, ela foi diagnosticada com um tumor na cabeça há dois meses e perdeu os movimentos das pernas. Após ser submetida a uma cirurgia arriscada, vive acamada, dependente dos outros para tudo.

"Estava muito grande o tumor. Estava correndo risco eu e a criança, mas Deus é grande e salvou os dois. Desde janeiro que eu sinto dor de cabeça e tontura, aí já não trabalhava. E piorou depois que descobri a gravidez. Dependo dos outros para tudo: para ir no banheiro, trocar uma fralda, comer, parte financeira”, conta ela.

O pedido do auxílio de Edna foi feito em junho, mas a data mais próxima para a perícia médica era 17 de novembro. O INSS disse, em nota, que o agendamento foi feito seguindo as datas possíveis para a localidade, e que, caso atenda os critérios, ela poderia solicitar o benefício por análise de atestado/laudo, sem precisar passar pela perícia presencial.

  • Saiba como solicitar auxílio-doença sem precisar passar por perícia presencial no INSS
  • 15 mitos e verdades sobre o auxílio-doença

No entanto, essa facilidade se encaixa apenas para pedidos de no máximo 90 dias de afastamento e Edna precisa de um período bem mais longo. Após ter o filho, Edna terá que se submeter ainda a um novo procedimento, já que, por causa do risco para a criança, os médicos não conseguiram retirar todo o tumor, que está afetando a veia do coração.

“Eu acho que é demorado, porque estou precisando agora, né? Porque eu uso fralda, essas coisas todas; medicação. É uma ajuda muito grande", afirma.

"É triste. Só quem precisa que sabe”, lamenta a mãe de Edna, que está cuidando da filha.

Assista ao programa completo abaixo:

Edição de 16/08/2022 - Filas do INSS

Edição de 16/08/2022 - Filas do INSS


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Calendar