Carregando...

Fiocruz vai pagar R$ 59,4 milhões por vacinas de Oxford importadas da Índia

Vacina britânica + Astrazeneca — Foto: REUTERS/Dado Ruvic

Vacina britânica + Astrazeneca — Foto: REUTERS/Dado Ruvic

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê pagar R$ 59,4 milhões pela importação de 2 milhões de doses prontas da vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. O imunizante deverá ser trazido da Índia, onde é produzido pelo Instituto Serum – um dos centros capacitados pela AstraZeneca para a produção da vacina.

  • Itamaraty: Importação de doses da vacina de Oxford produzidas na Índia está confirmada
  • VACINA DE OXFORD:Veja o cronograma de produção da Fiocruz

Itamaraty diz que primeiras doses da vacina de Oxford chegam ainda este mês

Itamaraty diz que primeiras doses da vacina de Oxford chegam ainda este mês

A informação foi confirmada pelo G1 com a própria Fiocruz. Segundo a fundação, cada dose comprada do Instituto Serum irá custar US$ 5,25, que é o valor da vacina pronta. O valor por unidade é o mesmo que o Serum prevê disponibilizar a vacina no mercado.

Anvisa aprova pedido de importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford

Anvisa aprova pedido de importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford

A Fiocruz acrescentou que os R$ 59,4 milhões também deverão cobrir operação, armazenagem e transporte dos imunizantes – por isso há uma diferença entre o valor pago por cada vacina e o total desembolsado pela fundação para adquirir os itens.

Em nota conjunta divulgada nesta terça-feira (5), os ministérios de Relações Exteriores e da Saúde afirmam que as negociações entre a Fiocruz e o Instituto Serum estão em "estágio avançado", e as pastas acrescentam que "a provável data de entrega dos imunizantes será em meados de janeiro".

Reunião discute uso emergencial

Também nesta terça, em paralelo às negociações para compra das vacinas, a Fiocruz divulgou que técnicos da fundação e da AstraZeneca se reuniram com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para "discutir o pedido de uso emergencial das 2 milhões de vacinas prontas".

No encontro, a Fiocruz afirma que se tratou do detalhamento de documentos que devem ser apresentados quando o imunizante for submetido à aprovação da Anvisa.

A fundação explicou que o objetivo é fazer um alinhamento para "garantir que os dados sejam submetidos de acordo com os requisitos estabelecidos pela Agência, para que a avaliação ocorra o mais rapidamente possível".

Anvisa aprova importação

No sábado (2), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um pedido feito pela Fiocruz para importação excepcional de 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca.

No dia 23 de outubro, a Anvisa já tinha autorizado a importação de 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan.

No pedido feito pela Fiocruz, a indicação é que as vacinas cheguem ao país ainda em janeiro. Segundo a agência, a importação é considerada excepcional porque o imunizante ainda não foi submetido à autorização de uso emergencial ou registro sanitário.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar