Carregando...

Morre militar do Exército baleado por cabo da PM após confusão em boate na Zona Norte do Rio

Policial Militar atira em cabo do Exército na saída de uma boate, em Piedade

Policial Militar atira em cabo do Exército na saída de uma boate, em Piedade

Morreu nesta quarta-feira (22) o soldado do Exército William Cardoso da Silva, que foi baleado por um policial militar durante uma confusão em uma boate em Piedade, na Zona Norte do Rio, no dia 17 de junho.

O militar foi baleado na cabeça e estava internado no Hospital Central do Exército (HCE). Ainda não há informações sobre o velório e o sepultamento.

Um dia após o crime, a Justiça do Rio converteu em preventiva a prisão do cabo da PM David Trancoso Daniel que atirou contra um William. Ele havia sido preso em flagrante.

Na decisão, o juiz Rafael de Almeida Rezende entendeu que a manutenção da prisão é necessária para a garantia da ordem pública, conveniência da instrução criminal e aplicação da lei penal.

O magistrado afirmou ainda que não foi caso de legítima defesa, como alegou o policial, e que as imagens das câmeras de segurança do local corroboram o que as testemunhas disseram na delegacia.

"A tese de legítima defesa sustentada pelo custodiado na delegacia não parece verossímil, pois o mesmo teria se dirigido ao grupo na posse de arma de fogo, intervindo em briga que estava prestes a ser apaziguada e, em determinado momento, disparou contra a cabeça da vítima", diz o juiz.

Tumulto em boate

O tumulto começou no interior da boate Fábrica 40 graus. Segundo a polícia, houve uma briga generalizada envolvendo três militares do Exército, que foram expulsos do local pelos seguranças.

"A confusão permaneceu do lado de fora, e o policial militar que, nas versões iniciais, não estava envolvido na briga, decidiu tomar a frente da situação pra apaziguar e começou a efetuar disparos. Inicialmente, pra dispersar, e posteriormente, segundo ele, pra cessar a agressão que vinha até ele do militar", disse o delegado Hilton Alonso, da 21ª DP (Bonsucesso).

Fotos mostram o policial David Trancoso Daniel socorrendo o cabo do Exército depois de ter disparado contra o militar.

O policial militar chegou a se apresentar na delegacia de Bonsucesso, mas acabou preso em flagrante.

A advogada do PM disse ele agiu em legítima defesa.

"Ele acreditou que estaria numa iminente injusta agressão. Teve uma confusão generalizada, uma briga generalizada, e ele, pra se defender, efetuou o disparo pro alto e aí, infelizmente, esse disparo veio acertar a vítima”, disse Natália Fonseca.

"Pelas imagens preliminares já analisadas pelo policial que foi até o local — ainda estamos apreendendo as imagens pra analisar com calma — a distância era grande, então a versão apresentada não está batendo, dessa legitima defesa. Mas o fato ainda está sendo apurado”, disse o delegado.

O chefe da segurança da boate Fábrica 40 graus disse à polícia que tentou intervir e evitar que o policial militar disparasse, mas não conseguiu.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*