Carregando...

Polícia Civil divulga possíveis disfarces de jovem procurado por matar a mãe no litoral de SP

Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, é procurado pela Polícia Civil — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, é procurado pela Polícia Civil — Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil divulgou fotografias que simulam os possíveis disfarces de Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, apontado como suspeito de matar a própria mãe, Márcia Lanzane, de 44 anos. O crime aconteceu em dezembro de 2020 em Guarujá, no litoral de São Paulo. A Polícia Civil divulgou as imagens, nesta terça-feira (8), com o objetivo ajudar a localizar o jovem, que é procurado pela Justiça.

A investigação revelou que Bruno matou a mãe por meio de esganadura, dentro da residência que eles moravam, no Bairro Sítio Cachoeira. Imagens de circuito de câmeras de monitoramento e contradições nos depoimentos fizeram com que ele fosse indiciado por homicídio doloso qualificado, quando há intenção de matar. Após a solicitação da autoridade policial, a Justiça decretou a prisão preventiva de Bruno.

Jovem indiciado por homicídio doloso pela morte de mãe fez postagem após o crime em Guarujá, SP — Foto: Reprodução/Facebook

Jovem indiciado por homicídio doloso pela morte de mãe fez postagem após o crime em Guarujá, SP — Foto: Reprodução/Facebook

Para auxiliar na busca do jovem, a Polícia Civil divulgou fotografias em que ele aparece com barba, bigode, e até com a cabeça raspada.

Segundo a corporação, informações que auxiliem as investigações desse crime e localização do procurado podem ser realizadas de forma anônima através do telefone 181 (Disque Denuncia) ou diretamente à equipe de investigação da Delegacia de Polícia do Guarujá através do telefone (13) 3386-6992.

Na época da morte de Márcia, o suspeito chegou a lamentar a morte da mãe nas redes sociais. "Te amarei para sempre! Obrigado por tudo meu amor. Luto Eterno Rainha", diz a publicação.

Investigação

Na época do crime, os familiares relataram à reportagem que o jovem teria ligado para amigos, desesperado, e acionado a polícia, afirmando que encontrou a mãe morta em casa. Segundo a Polícia Civil, o primo da vítima relatou que o jovem contou a ele que saiu de casa pela manhã para treinar e, quando retornou, ele encontrou a mãe caída no quarto dele, aparentemente sem vida.

Inicialmente, ele não contou aos policiais sobre ter envolvimento com a morte da mãe. A primeira suspeita dos investigadores surgiu ao notarem que Márcia havia morrido muitas horas antes do pedido de ajuda.

Segundo a polícia, após a suspeita, investigadores foram até a residência da vítima e questionaram Bruno, que alegou ter sido uma morte acidental, após ele empurrá-la durante uma discussão. Ele ainda informou às autoridades, Márcia teria caído e batido a cabeça.

No entanto, imagens obtidas pelo G1, na última quarta-feira (2), mostram minutos antes da morte da mulher (veja vídeo mais abaixo; as imagens são fortes). Os vídeos do circuito interno de segurança do imóvel foram encontrados dentro do forno do fogão.

Atenção: imagem forte — Foto: G1

Atenção: imagem forte — Foto: G1

Imagens mostram momento em que jovem matou a própria mãe em Guarujá

Imagens mostram momento em que jovem matou a própria mãe em Guarujá

As câmeras do circuito interno da casa mostram, na data do crime, o rapaz andando pela casa e entrando em um dos cômodos. Ele fecha a porta e, depois de quase duas horas, abre novamente. Às 21h17, mãe e filho aparecem na porta e, segundos depois, entram em luta corporal.

Os dois caem no chão, e o jovem fica em cima da mãe. Ele prende ela pelo pescoço e, logo em seguida, começa a dar socos nela. Depois disso, o jovem sai do quarto e segue para a sala, onde continua vendo televisão. Na manhã seguinte, ele ainda sai de casa, supostamente para ir à academia, e retorna.

O caso foi investigado pela Delegacia Sede de Guarujá. O inquérito policial com o indiciamento foi concluído em 31 de maio de 2021 e encaminhado à Justiça.

Defesa

O advogado Anderson Real, que representa o filho da vítima, afirma que o jovem relatou que o HD das câmeras foi fornecido por ele. "Após a morte, a polícia foi lá na residência, o levou para a delegacia e, durante o trajeto, questionou se não tinha câmera. Os policiais perguntaram onde estava o HD, e ele disse a verdade, que escondeu no forno porque estava com medo".

De acordo com Real, o filho de Márcia alega estar arrependido. "A versão dele é que, realmente, teve uma discussão, uma briga, arranhões, mas até então ele negava o estrangulamento. Agora, com as imagens, ele confessa que apertou o pescoço dela para imobilizar, e não para matar. Ele alegou que, depois disso, houve um pequeno desmaio da mãe, mas que ela não morreu naquele instante", diz.

Segundo a polícia, após suspeitas do filho, as equipes o questionaram e ele assumiu que teria a empurrado em um discussão e que ela morreu acidentalmente — Foto: Reprodução/Facebook

Segundo a polícia, após suspeitas do filho, as equipes o questionaram e ele assumiu que teria a empurrado em um discussão e que ela morreu acidentalmente — Foto: Reprodução/Facebook

"Ele afirma que chegou a voltar no quarto várias vezes depois disso para falar com ela, e que depois foi para a academia. Quando voltou, encontrou a mãe morta. Ele pediu ajuda para um amigo lhe explicar primeiros socorros, e depois acionou o Samu. Ele está totalmente arrependido pela briga que ocorreu com a mãe, e em nenhum momento tinha qualquer intenção de matá-la", diz o defensor.

Ele ainda alega que "desde a época do ocorrido, ele se mudou da casa onde morava com a mãe, por pressões da família e ameaças em redes sociais, mas deixou o seu atual endereço disponível".

VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1

200 vídeos


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*