Carregando...

Justiça de SP absolve PM acusado de matar jovem com tiro na cabeça - Notícias - R7 São Paulo

A Justiça de São Paulo absolveu na noite da quarta-feira (13) o sargento da Polícia Militar, Adriano Fernandes de Campos, um dos dois acusados de matar Guilherme Silva Guedes, de 15 anos. O adolescente foi baleado e morto com dois tiros na cabeça em junho de 2020 na zona sul da capital. O corpo do jovem foi encontrado em Diadema, na Grande São Paulo.

Adriano foi acusado pelo Ministério Público de São Paulo e indiciado pela Polícia Civil por homicídio triplamente qualificado (motivo fútil, motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima). Ele foi preso de forma preventiva pouco depois da morte do adolescente.

Adriano foi acusado pelo Ministério Público de São Paulo e indiciado pela Polícia Civil por homicídio triplamente qualificado (motivo fútil, motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima). Ele foi preso de forma preventiva pouco depois da morte do adolescente.

A sentença de absolvição foi confirmada pelo juiz Luís Gustavo Esteves Ferreira, da 1ª Vara do Júri. O magistrado também expediu o alvará de soltura para Adriano. O sargento da PM está preso desde 17 de junho do ano passado no Presídio Militar Romão Gomes e deverá ser colocado em liberdade ainda nesta quinta-feira (14).

"Ante o exposto, e em consequência da vontade soberana dos senhores jurados, declaro absolvido o réu Adriano Fernandes de Campos, com qualificação no feito, da imputação contida nestes autos. Pelo desfecho, não há substrato para a manutenção da prisão cautelar, a qual é revogada", escreveu o juiz na decisão.

O ex-policial militar Gilberto Eric Rodrigues também é apontado pelas investigações como um dos responsáveis pelo crime. Rodrigues era foragido desde 2015, condenado por ter participado de chacina em uma comunidade da cidade de São Paulo e acabou preso em maio deste ano.

O julgamento de Rodrigues ainda depende de audiência de instrução com data marcada para 17 de novembro. A sessão vai decidir se ele irá ou não a júri popular.

Os dois trabalhavam na segurança de um galpão em Americanópolis, na zona sul da capital paulista. A suspeita é que a dupla atacou Guilherme por engano para se vingar dos assaltos recorrentes que o galpão sofria. A vítima não tinha passagem pela polícia.

O ex-PM Gilberto foi identificado após suas impressões digitais serem encontradas no banco de trás do veículo que teria sido usado no crime. Para os responsáveis pela investigação, o criminoso segurava Guilherme no banco traseiro, enquanto o sargento Adriano dirigia o veículo.

O sargento Adriano foi identificado nas imagens de segurança que mostraram Guilherme poucos momentos antes de sua morte. O sargento identificado aparece com as mãos para trás, escondendo o que parece ser uma arma, enquanto olha ao seu redor. Guilherme Silva Guedes morreu com dois tiros: um na nuca e outro no rosto. 

1h30 - Ocorre uma tentativa de furto no canteiro de obras. O vigia Fábio chama a segurança e o PM Adriano, cuja a empresa fazia a segurança do local.

1h50 - O sargento Adriano chega em um carro preto na companhia de um outro homem. Em poucos minutos ficam sabendo da tentativa de furto e saem à procura dos suspeitos.

2h - Adriano retorna de carro ao canteiro de obras e entrega o celular dele ao vigia Fábio, dizendo que depois voltaria para pegar. O jovem Guilherme já estava no carro do policial. A polícia acredita que a intenção de Adriano era que o celular não fosse rastreado, pois já tinha premeditado o assassinato de Guilherme.

2h12 - Uma testemunha ouve os dois tiros que mataram Guilherme. A polícia confirma que Guilherme foi morto no local em que foi encontrado, em uma viela, a poucos metros da casa da avó dele.

4h40 - Família e amigos vão até o canteiro de obras à procura de Guilherme. O vigia Fabio afirma que apenas o sargento Adriano poderia dar informações.

10h - O gerente da empresa de segurança do sargento Adriano vai até o canteiro de obras e resgatou com o vigia Fábio o celular do policial.

11h - Corpo do adolescente Guilherme, de 15, anos é encontrado.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*