Carregando...

Morte de ex-miss após cirurgia de retirada das amígdalas é evento incomum; saiba quando operação é indicada

Ex-miss Gleycy Correia era empreendedora e se dedicava ao ramo da estética em Macaé — Foto: Reprodução redes sociais

Ex-miss Gleycy Correia era empreendedora e se dedicava ao ramo da estética em Macaé — Foto: Reprodução redes sociais

Ao fim de dois meses internada em coma, morreu na segunda-feira (20) a ex-miss Gleycy Correia, por complicações após uma cirurgia de remoção das amígdalas. Na autópsia, o IML constatou que as causas foram pneumonia; encefalopatia anóxica; parada cardiorrespiratória; choque hemorrágico e hemorragia da artéria amigdaliana.

  • Corpo da ex-Miss Gleycy Correia será sepultado nesta terça-feira em Macaé, no RJ

A morte em decorrência desse procedimento (chamado de amigdalectomia) é considerada um evento incomum, uma vez que a cirurgia é segura, apesar de delicada.

"Houve um tempo em que o procedimento cirúrgico era realizado por oportunidade. Antigamente, não tinha anestesia geral como hoje em dia e a partir do momento que se tornou um procedimento seguro e especializado, houve um aumento grande da indicação, banalizando-a", afirma o otorrinolaringologista Fernão Bevilacqua, membro da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia.

O médico explica que a proximidade da carótida faz a região ser sensível e torna "perigosas" as intervenções na área. "A técnica cirúrgica de fato é simples, mas mesmo assim se trata de uma via área baixa, cujo maior risco é o sangramento, já que o sangue pode ser aspirado pela traqueia, atingindo o pulmão e o esôfago."

Considerando as ressalvas, a cirurgia é recomendada em ao menos quatro circunstâncias diferentes. Veja abaixo quais são elas:

Infecção bacteriana de repetição

De acordo com Maura Neves, otorrinolaringologista pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, o que caracteriza uma "infecção bacteriana de repetição" é a recorrência da infecção, contabilizando mais de sete eventos, com necessidade do uso de antibiótico, em um período de 12 meses.

No entanto, ainda de acordo com Bevilacqua, a escolha por uma amigdalectomia tem se tornado cada vez mais criteriosa, principalmente por causa do aumento das opções de tratamento clínico. "O otorrino tem que ter a visão de que o procedimento está envolvido no tratamento de uma causa", afirma.

Popularmente conhecida como cirurgia de amígdalas, a adenoidectomia é uma das cirurgias mais realizadas nas crianças — Foto: Pixabay

Popularmente conhecida como cirurgia de amígdalas, a adenoidectomia é uma das cirurgias mais realizadas nas crianças — Foto: Pixabay

Amígdalas grandes

A segunda indicação para esta cirurgia se deve ao fato de algumas pessoas possuírem esses órgãos de tamanho maior do que o padrão, atrapalhando a respiração. Um dos sintomas são os roncos durante o sono, devido a dificuldade na passagem do ar pelas vias aéreas.

Amigdalite agravada

Quando há uma amigdalite bacteriana em estágio avançado e a infecção se espalha para outras regiões do pescoço formando abscessos (acúmulo de pus). "Inclusive, esta condição é uma indicação de cirurgia de emergência, pois coloca a vida em risco", ressalta Maura.

Tumores

Por último, a remoção é indicada a partir de uma suspeita de existam tumores, que podem ser de variados tipos e também acometem essa região .

Amígdalas são porosas e ajudam na defesa do organismo

Amígdalas são porosas e ajudam na defesa do organismo

Riscos e benefícios

Os primeiros 10 dias após a amigdalectomia são de maior risco, pelo aumento da pressão e frequência cardíaca. O repouso e a dieta líquida recomendada devem ser seguidos à risca. Quanto mais precisa a indicação, menor a chance de haver uma complicação.

"A evolução da medicina e entendimento das infecções bem como a melhora na qualidade dos antibióticos reduziram a indicação e necessidade da cirurgia. Porém, ainda é uma das cirurgias mais realizadas nas crianças", explica Maura.

Isso se deve principalmente pelas consequências infecciosas da inflamação recorrente das amígdalas nos pequenos. O dano é maior, levando em consideração que haverá exposição de antibióticos em uma idade muito tenra, além de, no caso de aumento das amígdalas, uma obstrução que causa apneia vai alterar a face e a arcada dentaria.

"Também leva um sono agitado, não sendo incomum episódios em que a criança urina na cama, o que traz prejuízo escolar, físico e até emocional. Como tem menos fibras neurais ali, dói menos e a recuperação tende a ser mais rápida e tranquila", finaliza Bevilacqua.

Retirada das amígdalas não representa fator de risco na contaminação por Covid-19

Retirada das amígdalas não representa fator de risco na contaminação por Covid-19


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*