Carregando...

Análise: Novo vírus encontrado na China é outra ameaça difícil de prever

Quando você pensava que 2022 já havia fornecido um século de doenças infecciosas assustadoras, de Covid-19 à varíola dos macacos à poliomielite, as manchetes da semana passada alertaram para mais uma.

No leste da China, o vírus Langya pode ter saltado do musaranho-de-dentes-brancos para humanos. O vírus infectou dezenas de pessoas, mas não ainda não há relatos de mortes.

Muitos podem se perguntar o que está acontecendo. Por que tantas infecções aparecem tão rapidamente?

Várias explicações são plausíveis: talvez um mundo globalmente aquecido e densamente povoado seja mais hospitaleiro para todos os tipos de novos patógenos; talvez novas técnicas moleculares estejam nos permitindo apenas agora diagnosticar a causa dos intermináveis ​​resfriados e erupções cutâneas que as gerações anteriores não podiam nomear, criando um “surto” concreto, não apenas um “inverno horrível”.

Alternativamente, talvez a crescente desconfiança da ciência por trás das recusas de se vacinar ou usar uma máscara tenha empurrado séculos de progresso médico para os dias do pré-iluminismo, quando apenas a oração e talvez uma indulgência poderiam determinar um destino, ou talvez é a internet alimentando um desejo de “clickbait” por sustos de saúde como se fossem filmes de terror.

O que quer que esteja acontecendo, o momento criou uma corrida para encontrar alguém que possa prever o futuro, sem necessidade de experiência. Essa busca por um especialista com bola de cristal remonta a milênios: o Oráculo de Delfos domina as histórias da Grécia antiga, enquanto astrólogos e videntes têm desempenhado um papel semelhante há séculos.

Entre aqueles com pelo menos alguns dedos do pé no mundo científico, temos os meteorologistas, analistas do mercado de ações, pesquisadores políticos e apostadores de Las Vegas – todos eles estão fazendo o seu melhor, mas na análise final, apenas adivinhando, por mais educada que seja a tentativa.

A esta lista foi adicionada, desconfortavelmente, uma nova criatura mítica: o especialista em saúde que é capaz de ver o futuro com precisão e declamar o que, se for o caso, podemos fazer para nos mantermos seguros. Isto é delicado. Estamos há mais de 2 anos na pandemia e nossas previsões não parecem estar melhorando muito.

As reviravoltas da pandemia de Covid-19 deixaram todos nós mais humildes, possivelmente comprometendo o futuro de prever o futuro. Prever o que pode estar à frente, mesmo quando você conhece um assunto de dentro para fora, requer uma mistura estranha de experiência, intuição, bravura, se não egoísmo, e gosto pelo dramático.

Para os médicos, estar errado, muitas vezes, faz parte da rotina diária. Estamos acostumados a isso: um raio-X pode parecer anormal, mas, repetindo, a área em questão acaba sendo apenas um emaranhado de vasos sanguíneos.

Um ataque cardíaco que certamente parece grave resulta em uma internação breve e tranquila, enquanto, em outros casos, o que parece ser um ataque cardíaco leve acaba sendo fatal uma semana depois. Todo dia tem suas lições brutais.

Musaranho-de-dentes-brancos / De Agostini via Getty Images

A saúde pública é diferente. A relação de um médico com um paciente é um encontro humano básico ancorado em uma realidade compartilhada. Em contraste, um relacionamento com um público vagamente definido flutua por conta própria, sem regras claras de engajamento.

Essa falta de limites conhecidos é mais evidente na tendência contínua de culpar os especialistas em saúde, não a doença que estão tentando controlar. Ou culpá-los pelo que parece uma recomendação fraca, apenas para criticá-los um dia depois por atrasos em sua próxima rodada de recomendações.

Em certo sentido, tudo isso é esperado; todos nós culpamos o mensageiro com muita frequência. Mas o que é menos fácil de entender é o seguinte: uma semana após o escárnio e o desdém, o mesmo público se apressa para ouvir os mesmos especialistas se pronunciar sobre a próxima ameaça – seja ela qual for.

Os especialistas podem ser reprovados teste após teste, mas nunca são deixados de lado. Para citar o filme de Woody Allen “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”: “Rapaz, a comida neste lugar é realmente terrível.” “Sim, eu sei. E porções tão pequenas.”

Este último passo certamente é evidente no relatório do vírus Langya. Imediatamente após a publicação no New England Journal of Medicine no início deste mês, conselhos para se preocupar ou não se preocupar tanto com a disseminação de doenças zoonóticas surgiram em todos os lugares. Em breve, poderá haver mais especialistas dando conselhos do que casos identificados.

Ajustar-se às notícias de mais um patógeno certamente é inquietante e buscar orientação faz todo o sentido. Talvez, no entanto, devêssemos receber a previsão não como uma coleção infalível de fatos futuros, mas com a mesma mistura de cautela e esperança que saudamos a previsão de um especialista em beisebol que, em agosto, tem a tarefa de prever quem vencerá o campeonato em outubro.

Ou isso ou simplesmente devemos parar de pedir às pessoas que prevejam o futuro. Caso contrário, cada previsão que erra o alvo, ainda que levemente, serve apenas para corroer a confiança do público, não apenas no prognóstico, mas em todo o complexo empreendimento de controle da pandemia.

Kent Sepkowitz é médico e especialista em doenças infecciosas no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova York. As opiniões expressas nesta matéria são suas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*

Últimas notícias








Calendar