Carregando...

Paciente é transplantado depois de complicações da Covid-19

José de Deus Carvalho Nunes, 67 anos, sofria de problemas de saúde nos rins, sem gravidade, quando, em abril de 2020, no início da pandemia, contraiu Covid-19.

Logo após, surgiram complicações da doença que geraram insuficiência renal, segundo o médico nefrologista que acompanhou o paciente, Dr. Avelar Alves. A partir do diagnóstico, José passou a fazer tratamento de hemodiálise, o que já vinha acontecendo por mais de um ano e meio.

Equipe do HUP faz homenagem ao paciente transplantado. — Foto: Ascom/Unimed Teresina

Equipe do HUP faz homenagem ao paciente transplantado. — Foto: Ascom/Unimed Teresina

A família, orientada por equipe multidisciplinar, aceitou iniciar os procedimentos para um transplante intervivos, que é quando um indivíduo vivo, geralmente familiar compatível até 4º grau, doa um órgão, como um rim, ou parte dele, no caso do fígado ou pulmão, a um paciente cujas possibilidades de tratamento já estejam muito reduzidas.

Dielson Santos Carvalho, 40 anos, profissional autônomo, é um dos filhos de José e foi o doador. Seus dois irmãos foram compativeis também, no entanto, Dielson fez questão de ajudar o pai, como conta:

“Os dois rins pararam de funcionar, aí o médico disse que ele tinha a opção do transplante. E como eu fiquei muito sentido com o que aconteceu com ele, eu disse: ‘Pai, se for para fazer o transplante, eu vou ser seu doador’, porque ele é um pai maravilhoso para mim”.

O transplante, considerado um procedimento de alta complexidade, foi realizado no dia 17 de novembro, no Hospital Unimed Primavera. José recebeu alta na terça, 23, e se encontra bem.

Na sua despedida do HUP, a equipe de profissionais que acompanhou sua evolução fez uma homenagem ao paciente recuperado cantando seu estilo musical favorito: o brega.

“A equipe do Hospital da Unimed é nota mil, fez um bom trabalho. Gostei muito e meu pai também” - Dielson agradeceu.

Dr. Avelar, que é coordenador da equipe de transplantes do HUP, disse que o paciente teve uma boa recuperação, especialmente porque não acumulava muitos elementos de risco de saúde, como por exemplo, apresentava controle do peso corporal. “Ele tem 67 anos, mas com um estado geral bom, magro, evolução boa” - afirmou.


Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados*